segunda-feira, 31 de março de 2008

O Fugas mudou de sexo


O Público já tinha sido redesenhado, aqui à tempos.

Mas, esperei com alguma ansiedade (é o termo) a mudança de sexo do FUGAS (bem, já não era esta a grafia, mesmo mantendo-se masculino).

Foi no dia 8 de Março.
Ou melhor, neste dia pudemos ver o resultado da operação. Que esta intervenção demorou um bom par de meses.
Adiante, nasceu A Fugas.

Como diz o Pedro Garcias, o editor, isto (das mudanças de sexo) é um pormenor. Como gostei da brincadeira, quis esticá-la também um pouco aki no gatoeponga.

Logo nesse dia, para além da novidade, se viu que era coisa séria.
Entretanto, passados 4 edições d'A Fugas, ainda mais apetece dar os parabéns ao Pedro e a toda a equipa.


Agora é que vão ser elas quando, por esta ou aquela razão, ao chegar ao Lili dos jornais, ele me olhar com cara de caso e disser "Já esgotou".
Antes ficava mais ou menos frustado. Agora sei que me vou fazer à estrada e procurar até descobrir. Xauzinho contribuição p'rá diminuição do global aquecimento :-(

El chá chino de Dirk

De aqui se fez espuma.

sábado, 22 de março de 2008

Navegar, caminhando

Mário Soares esteve no Douro, com Clara Ferreira Alves, para filmar alguns apontamentos para o programa "O caminho faz-se caminhando".
No DOC, onde chegou de barco, fazendo jus à máxima "já não é preciso carro para ir ao seu restaurante favorito", o ex-Rei, oopps, Presidente de PT discutiu gastronomia e os francesismos versus gastronomia tradicional portuguesa.
A Clara gostou e pediu para filmar.
O editor não deve ter achado tanta graça, pois nada foi para o ar.
TV is VT.

quinta-feira, 20 de março de 2008

DOC + Celso Pereira

O programa de jantares vínicos do DOC para 2008, previa a realização de 9 eventos, 6 produtores do Douro e 3 de outras DOC's portuguesas.
Celso Pereira foi o primeiro convidado. O jantar realizou-se no dia 8 de Fevereiro.

Celso Pereira é Vértice e Vértice é Celso Pereira. Liason entre Jack Davies (o americano que teve aideia louca de fazer espumante no Alto Douro) e o Douro, o Celso fez (e, em grande parte ainda faz) tudo do Vértice. Foi para a vinha, andou com os lavradores a ver. Depois, estudou e escolheu uvas. Depois, outros lavradores, estudou e escolheu mais uvas. Depois, ainda outros lavradores, estudou e escolheu mais uvas, rejeitou outras, voltou a escolher... Para todas essas uvas ensaiou prensagens, fermentações, estágios. Engarrafou, “degourjou”, rotulou, encaixotou, vendeu, facturou, recebeu, promoveu. Não estava contente só com espumante. Fez DOCs Douro brancos e tintos. Colheitas Tardias...
Mas, não queria só Caves Transmontanas. Com Jorge Alves criou o Quanta Terra (e agora o Terra a Terra).
Mas, não esqueceu os lavradores associados, colabora desde 2003 com a Adega Cooperativa de Favaios.

Em tudo isto uma ideia: qualidade irrepreensível. Por todas estas razões, foi um orgulho para o DOC ter lá, naquele dia 8, o Celso.

Este foi o menu:
À chegada
Espumante Vértice 2004 Reserva

Espumante Vértice 2000 Velha Reserva (dégorgement muito tardio)
Terrina de foie-gras au Vértice

Espumante Vértice 2004 Grande Reserva (lote especial)
Carpaccio de polvo

Espumante Vértice 2005 Pinot Noir
Cherne com ratatouille de legumes (o que mais gostei, na foto o Cherne antes e depois)

Granizado de espumante Vértice

Vértice Reserva 2007 branco, Quanta Terra 2005 Grande Reserva
Ternera de Bravo com pastelão de batata

Ensaio Vértice Moscatel 2005 colheita tardia
Folhado de maçã Bravo de Esmolfe e colheita tardia em geleia

(todos os Espumantes que se serviram eram Brutos Naturais)

Para além do Celso e do chef Rui Paula, o Pedro Guedes (das Caves Transmontanas) e o Jorge Alves (Quanta Terra) deram as explicações necessárias para melhor compreendermos as comidas e vinhos.

A Celeste Pereira, forneceu pistas sobre o que é e para onde vai o DOC.
All in all, una cena memorable.

quarta-feira, 12 de março de 2008

Grand Jury Européen @Douro

Pela primeira vez o Grand Jury Européen veio a Portugal.
Este painel de prova tem por objectivo minimizar os possíveis defeitos da prova individual e ao mesmo tempo, até certo ponto, democratizar a prova.
Quando são muitos provadores, experientes, a dar a opinião sobre um conjunto de vinhos (a prova é cega e são eliminadas as notas mais altas e mais baixas) pode esperar-se que os resultados sejam de maior confiança do que a opinião de um só crítico/provador.
A referência democrática prende-se com o facto de pequenos produtores (quase sempre ausentes das provas mais importantes por falta de estatuto ou influência) poderem ter os seus vinhos ao lado dos mais conceituados.
Tudo isto é teórico. Como se veio a verificar nos resultados das provas em Portugal.
Enfim, imho, não invalida o interesse do GJE e a importância da sua presença em PT.

Entre outras coisas boas bebidas no jantar em Nápoles com o GJE, destacou-se o fabuloso Niepoort Vintage 1942. Hummm, hummm, hummm.

Tenho uma enorme admiração pelo Philippe Bourguignon (na foto em cima é o Mr. da direita). É um somellier com S muito grande.
A vinda do GJE abriu a possibilidade de mostrar ao Philippe (e mais alguns membros do Jury) a Quinta do Infantado e provarmos alguns vinhos durienses (secos e generosos).
Um dia cinzento se fez mais luminoso e brilhante.
Merci Philippe.


Nápoles Suspira


Flor de Sal, Rui Simeão, Tavira

Não deve ser novidade para ninguém que temos, em PT, da melhor Flor de Sal (e, já agora, sal marinho) do planeta.
Melhor entre os melhores, Rui Simeão (real name Rui Francisco Neves Dias) modernizou o negócio familiar, sem perder as tradições.
Um caso de sucesso a merecer destaque.
Um bom azeite e esta Flor de Sal é mais do que meio caminho para uma boa refeição.

Tasca do Joel, as a farewell Xarax


Uma pequena aventura, yo y PP, um salto a Peniche (mesmo, tipo ir-num-pneu-e-vir-no-outro) para um farewell lunch com el nuestro Xarax, na Tasca do Joel.
O Jael, transformado em Joel no nome da tasca, é a alma da casa, ampliando as grelhadas iniciais de seu pai . Já tinha lido algumas coisas sobre este restaurante, onde o vinho tem ganho protagonismo. A carta é enorme, os preços hiper baixos, há jantares vínicos, uma loja gourmet igualmente com preços bons e onde há muito mais que vinho.

Comemos bom peixe, os vinhos eram velhos (destaque para o Quinta do Carmo 1987 em magnum, e logo a seguir para o Gouvyas Cuvée OP 2000), great energy, o Jael 5 estrelas.
Espero que o X não me leve a mal a citação:
"Entre conversas de vinhos e espreitadelas ao mar, a respiração pura de um dia frio de sol de Inverno. Depois retomar a surriba, ficar à beira do penhasco a olhar o pôr-do-sol enquanto se espera pela vontade de mais estrada. Ou de mar."



Terreiro do Paço em janeiro


A minha melhor memória da cozinha de Vitor Sobral é o jantar do Dão e Douro, em Lisboa, de 2006. Nesse ano (para quem quiser saber mais http://gotaepinga.blogspot.com/2006/05/3-do-e-douro-em-lisboa.html) organizamos (mois e Teresa Gomes) alguns jantares que foram, imho, muito bons. O do Vitor foi super.
Tenho que confessar, não voltei ao Terreiro do Paço até Janeiro de 2008. Com pena, pois neste retorno voltei a fazer uma refeição muito boa.
Realço as Ostras e o Robalo. Também, que o Chef não estava, o que fala pela qualidade da equipa e da organização do Vitor.
O Sérgio Antunes, tratou muito bem de nós.

Como é conhecido o Vitor Sobral recebeu um prémio este ano da Revista de Vinhos.
E vai abrir um restaurante em S. Paulo, Brazil.
Força Vitor.



O Jacinto, mais downunder

Às vezes há destas coisas. Telefono ao Aníbal Coutinho, para combinar um jantar e ele diz "Não posso, tenho um jantar n'O Jacinto".
Pois, era o que eu queria, ir jantar ao O Jacinto. Nada mais fácil.
O jantar do Aníbal era uma apresentação dos vinhos Tempus Two pela proprietária Lisa McGuigan. Tempus Two é uma Australian winery, importada pela Wine O'Clock.
A minha vontade de ir a este restaurante de Telheiras, tinha a ver com os consultores: Luís Baena na cozinha(embora assumidamente uma consultadoria muito leve) e o Aníbal nos vinhos. Pelo que percebi o que comemos não é a linha habitual do restaurante, foram pratos diferentes preparados esta ocasião específica.
O que mais gostei foi esta Trilogia de Bacalhau.
Outro highlight foi ter conhecido o Manuel Gonçalves da Silva, que venho lendo há anos mas nunca tinha tido a sorte de encontrar. E, claro, rever o Duarte Calvão.
Gostei da arrumação que o Aníbal deu à carta de vinhos. Algumas ideias novas bem esgalhadas, bons preços. Parabéns.

novacrítica-vinho @A Confraria, York House

Fui com a Fatuxa (para quem ainda não sabe, é a Fátima Ribas, enóloga residente da Quinta do Infantado) à nuestra Kapital, para o jantar de ano novo do site novacritica-vinho.com.
Unfortunately, não tenho muitas fotos, a modos que não consegui mostrar o trio todo junto. Ficam aqui o Pedro Gomes e o Tiago Teles.
A Paulina Mata está mais em baixo, com o chef Nuno Diniz e o José Tomáz Mello Breyner.

O Zé Tomáz consigou fazer d'A Confraria (o restaurante da York House) um lugar especial para o vinho e agora, com o chef Nuno Diniz, prepara-se para fazer o mesmo com a comida.
No vinho, para além da conhecida ligação com os ex-5às8, que lá realizam praticamente todas as suas acções, a carta de vinhos é interessante e muito sensata nos preços. E, deve ser o único restaurante onde existe um programa BYOB (temos que inventar um acrónimo em PT para o Traga a sua garrafa), todos os outros que conheço onde isto é possível apenas "o permitem".


É no novacritica-vinho.com que está o forum de vinhos e comidas mais activo em PT. Esta metamorfose dos 5as8, tendo saído o Rui Falcão e entrado a Paulina Mata (moderadora do sub-fórum gastronomia), tem funcionado. No meio de algumas cenas estilo forum-picado-à-maneira-dos-primeiros-tempos-da-net (que pessoalmente até gosto, desde que haja humor e não se levem as coisas para o campo da ofensa) que normalmente acabam mal, vão sendo postados assuntos que vale a penar ler.
A Paulina trouxe energia e interesse à gastronomia. As entrevistas on-line, a maior novidade, têm funcionado bem; a destacar a soberba prestação do Dirk Niepoort, tanto pelo que diz como pela participação, mas Luís Baena, Ljubomir Stanisic, Augusto Gemelli, Filipa Costa... merecem leitura.

O jantar foi interessante, provaram-se boas gotas e pingas. E ficou a promessa de outra cena más al Norte.

Andreia e Augusto @ Douro

Já não é a primeira vez que a Andreia e o Augusto vêm ao Douro nos primeiros dias de Janeiro.
É nice começar o ano em boa companhia.
Fizemos uma jantarada no DOC mais vinhos Quanta Terra e Quinta do Tedo (apresentados pelo Jorge Alves), Bago de Touriga e Quinta do Infantado, comigo e con la Fatuxa.
El día seguinte, hicemos una cata en Quinta do Infantado. ...Tan cerca de la Casa do Visconde de Chanceleiros, donde los invitados pernoitaram.
Y, felice 2008 :-) e cumpleaños A.

B2P - Girls and Boys @Douro, ooops, DOC

B2PGraças ao esforço do Francisco Spratley Ferreira, esse, o Xico do Vallado, tem-se mantido a tradição do jantar de Natal do pessoal das vinhas e dos vinhos do Douro.

Em 2007, o DOC associou-se à festa, e o chef Rui Paula apresentou um menu a sério a preço de saldo, melhor, como prendinha. E, já que não se podia pendurar, ali foi consumida com prazer.

Como de costume toda a gente traz vinhos, "de preferência que não sejam de sua produção" avisava o Xico, e depois é provar o que se quer.
Acho que foi o mais concorrido de sempre, p'r'aí unas 90 personas.

Estas feijocas estavam excelentes.
Y, nada, Feliz Natal.

B2P - DOC+Cêpa Torta @ Flor de Sal

B2PAs equipas do do Cêpa Torta (unfortunately, faltou a Cristina Canelas) e da ArisDouro (DOC e barcos) foram a Mirandela, ao Flor de Sal para um jantar de Natal.
A comida esteve muito bem, o chef Manuel Gonçalves tratou-nos nataliciamente. Na sala mais do mesmo.

Soube bem (menos as pianadas).

Parabéns ao João Paulo por este belo espaço.

B2P - Maria e Álvaro Castro @ DOC

B2P O segundo jantar vínico do DOC foi com os muy estimados, excelentíssimos e, ainda, muy respeitados, Maria e Álvaro Castro.
Repesco uma parte do texto de apresentação do jantar, acho que é importante.

Ambas as quintas ostentam pergaminhos seculares, Saes é referenciada desde 1258 e a Pellada desde o século XV. No entanto, os primeiros vinhos com a assinatura Álvaro Castro surgem apenas em 1989 (Quinta de Saes) e 1992 (Quinta da Pellada).
Desde então, um percurso exemplar de quase 20 anos levou, merecidamente, este produtor ao topo dos vinhos portugueses. Rótulos marcantes como Quinta da Pellada Tourigo 100% 1996, Quinta da Pellada Baga 2000, o 1º Dado (de 2000), Pape 2002, Carrocel 2003, Quinta da Pellada Primus Reserva 2006, recolocaram o Dão como uma das melhores regiões viti-vinícolas mundiais. Sem exageros nacionalistas.
Não se pode esquecer a importância do saudoso Magalhães Coelho na definição dos primeiros vinhos de Saes e Pellada. Hoje, a parceria pai e filha (Maria está em Pinhanços a 100% desde 2001) funciona às mil maravilhas. Para o nosso contentamento.

Finalizo com Álvaro Castro em discurso directo:
“Pela minha paixão pelo efémero cheguei ao paradoxo de querer recriar (e conservar) as sensações gustativas e olfactivas (efémeras) cada vez que se abre uma garrafa. Daí a procura incessante do vinho que me possa proporcionar o prazer absoluto.”

000000000000000000 Acho que foi a minha estrela do jantar, os milhos e Primus

Eis o menu:
Pelada 2003 (surpresa do Álvaro) + Quinta da Pellada 2003
Creme de Aveia e Cogumelos, Tempura de legumes

Quinta da Pellada Primus Reserva 2006
Milhos de Bacalhau com Rodovalho

Dado 2005
Chamuça de Alheira

Pape 2005
Medalhão de Lombo Maronês com Queijo da Serra, Espargos verdes e Arroz de três Cogumelos

Carrocel 2006 Queque de Chocolate, Gelado de Touriga Nacional
Café e petit-fours


A grande dificuldade deste jantar era deixar o Carrocel para o fim. Isto, não dando importância ao facto de servirmos o Pelada e Quinta da Pellada antes do Primus.
Tanto por ser o último vinho, os sentidos já não estão tão despertos (sim, não estamos a provar, bebemos mesmo), como pela combinação com o queque de chocolate. Ainda acrescentamos um gelado de Carrocel, perdão Touriga Nacional, uma redução de pinhões, mas... A ligação não funcionou (bem).
What the heck, life is life. Foi uma jantarada linda. Gracias al primita y el gran D. Señor mio Tio.


como não tinha grandes fotos da Maria e do Álvaro, tentei disfarçar usando uns simples truques de artista barato. sorry.

B2P - nuovo Gemelli

B2PDepois de alguns atrasos (já se sabe como é que são as obras) o Augusto Gemelli inaugurou o seu novo restaurante, apenas uns metros mais abaixo na Rua de São Bento, no dia 28 de Novembro de 2007.
Ao mesmo tempo foi apresentado, por Fátima Lopes (a da tv, not a dos trapos) e José Miguel Júdice, o seu livro "A Cozinha Italiana de Augusto Gemelli, fantasia e tradição".
Nesta parte relembro as palavras de Júdice, e todos reconhecerão que ele fala do que sabe, que cito de memória: "Não é fácil manter um restaurante com o nível do Galeria Gemelli [o nome do antigo espaço do Augusto]. É preciso perceber isso e ajudar o Augusto. Ajudar quer dizer ir comer ao restaurante, quer dizer passar a palavra."
Penso que hoje em dia nada é fácil. Mas um restaurante gourmet é mesmo difícil.
Nesta foto estão o Augusto e a Andreia (segunda do Augusto e chef pasteleira do restaurante) e o pai do Augusto, que veio de propósito (com o irmão que não aparece) de Italia [e o LSD, para dar um cunho del Duero à coisa :-)].
Parabéns aos Gemelli's, y mucho sucesso!

terça-feira, 11 de março de 2008

B2P - 100 Maneiras, Ljubomir y Manuel


B2P

Depois de um sábado à tarde no Convento do Beato, con showcooking y catas de vinos para el publico lisboeta, este grupinho rumou a Cascais para una cena no 100 maneiras.

Gostei do 100 maneiras desde a primeira vez que lá comi (no olvido, con Teresa Gomes). Sempre que voltei, gostei.

Agora, o Manuel Moreira é mai s do que consultor de vinhos, é o maître d', escanção, entertainer.... Quase apetece dizer, uma excelente companhia. Uma parte importante do prazer e da alegria que sentimos à mesa.
Já na Fortaleza do Guincho o MM exibia uma segurança, à vontade e, talvez o mais importante, gosto no seu métier, que nos dispunha bem.
Pois, ainda está melhor. Desde a recepção até ao abraço final, inexcedível. Gracias.

O jantar foi excelente. Sem querer exagerar (isto não é prova cega :-), nem sendo muito fan de demasiadas hierarquias, ficará no meu top de sempre.
Diz o Ljubo na sua introdução à ementa nº 13 (na qual optamos pelo menu de degustação) que é a de "concepção mais demorada mas também a mais amadurecida e coerente". Pois valeu todos os segundos que demorou a conceber e amadurecer.



Fiquei siderado com as Vieiras salteadas, cogumelos variados, creme de alho francês e ravioli de trufa.

Mas vale a pena deixar aqui todo o menu:
Azeites 100 maneiras - brincadeiras à volta do azeite (manteiga de azeite, azeite em pó e gomas de azeite).
amuse bouche (shot y tuna)
as Vieiras já referidas
Algodão doce de foie-gras - mais uma brincadeira (o foie tipo fulminante, seriously, a estalar na boca)
Grande Lata - este prato não chegou a ter este nome, aparece como Salmonete com migas de bivalve e mizuno. Servido em Lata.
Hendriks - mais uma brincadeira, há volta deste gin
Leitão mil folhas, legumes estufados e creme ligeiro de alho - o Ljubo anda a aprimorar este leitão há anos, agora acha que está bem
João pastel - versão de bica e nata
Requeijão com doce de abóbora - memória da sua chegada a Portugal, em Vilar Formoso
Coffee 100 maneiras


Uma última nota para algo que também aprecio, o humor. O que não quer dizer que as coisas não sejam feitas com rigor, apenas que são bonitas, sabem bem e ainda nos fazer sorrir.
Honestly, uma noite estrelada na baía de Cascais.


B2P - Xarax forty

B2P

Foi no Ritz, na sala do Chef , que o brother Xarax, aka Luís Antunes, celebrou os seus belos 40 anos.
Great convívio.
Um menu escolhido a dedo, vinhos the same.
A grande surpresa para mim foi um Quinta do Côtto Grande Escolha 1985.
Nos comes começamos logos pelo melhor, Risotto de cèpes e camarão, crocante de parmesão com pimenta rosa e redução de vinho do Douro.
Nunca tinha comido no Ritz, unfortunately falhei o período em que o João Pires era o MC da casa :-(.
Esta sala, onde o chef Stéphane Hestings (e o che de pastelaria Johannes Bonin) e a sua equipe fazem os seus brainstroms y donde nascem e se testam as receitas es muy simpatica.
Una palavra tambiem para o Lícinio Pedro, o nosso escanção, como diria o DLR, serviço de chupeta.
Eu e a Fatuxa fomos from Douro to LX, sempre a carregar no acelarator. Só tive pena de ter que voltar logo logo no foguete para os Porto.
É que eles ainda ficaram a saborear o Burmester 37...




é bom estar com o mano. happy 41!

quarta-feira, 5 de março de 2008

B2B - Encontro do Vinho e Sabores, y al...

B2P


Fomos a Lisboa para mais um Encontro do Vinho e dos Sabores.

As usual, tenta-se aproveitar as descidas à capital para jantaradas com os amigos.

Primeiro foi na York House com um grupito de internet-wine-geeks, com promoção do Luís Ferreira e JTMB (a alma da York House). O señor de camiseta roja es el muy apetecido Mark Squires.

No EVS estivemos no stander da Bago d'Uva com o Carlos Alberto, a tentar convencer o povo da bondade de nuestros vinitos de bagos de touriga.

Mas ainda consegui escapar-me para ver os show cooking do Vitor Sobral e do Luís Baena.





Uma grande jantarada, really fun, xez FM. Há coisas assim, a quem é que passa pela cabeça não comer carne?! fuc....

No dia dos profissionais o chef Rui Paula recebeu o prémio de Melhor Carta de Vinhos regional. Foi bom para o DOC.

terça-feira, 4 de março de 2008

B2P - Alves de Sousa @ DOC

B2P
Iníciamos os jantares vínicos no DOC com uma das referências do vale do Douro: Alves de Sousa.
Com a presença do Domingos AS e do Anselmo Mendes.
Faltou o Tiago, que não estava em PT no dia do jantar.

Eis o menu:
Branco da Gaivosa Reserva 2006
Creme de Cigala

Quinta de Vale da Raposa Touriga Nacional 2005
Cherne crosta legumes, Alcaparras e Pinhões com Feijão Verde

Quinta da Gaivosa Vinha de Lordelo 2005
Moira de Transmontana em Tosta de Azeite, Maçã e Tomilho

Quinta da Gaivosa 2003
Cachaço de Porco Bísaro (cozinhado durante 12 horas a 72ºC)

Quinta da Gaivosa Vintage 2003
Tarte de Maçã com queijo Chèvre e gelado de Azeite

Café e bombom de Azeite.


Fizemos apenas uma pequena partida, não deixar o vinho mais apetecido, Quinta da Gaivosa Vinha de Lordelo 2005, para último.
IMHO, começamos bem.

B2P - Wine Growers @ Bull & Bear

B2P

Uma parte dos Wine Growers (Domingos Alves de Sousa + João Pedro e Teresa) estiveram com o chef Miguel Castro e Silva num jantar vínico.
A minha estrela foi o east meets west: Bacalhau fresco em marinada de Porto e soja, tempura de legumes.
Gostei de voltar ao Bull & Bear.

B2P - Bago de Toriga @ DOC

B2P (Back to Past)
A Feliz ideia da Celeste Pereira e do Chef Rui Paula de não fazer uma festa de inauguração do restaurante DOC, mas antes de convidar produtores de vinho para apresentarem os seus vinhos a um pequeno grupo de convidados (a famosa mesa redonda) resultou em cheio.
Foi como uma espécie de muitas pequenas inaugurações, sempre com um carácter intimista que proporcionou convívios muito interessantes.
A Bago de Touriga e a Luís Soares Duarte estiveram juntas num desses jantares.
Gostamos muito.

B2P - Visitas en España

B2P (Back to Past)


Aalto







Alonso del Yerro


Aproveitando a viagem de Bordeaux até ao Douro, paramos aki ao lado, no Duero del lado español.

Y visitamos 3 Bodegas: Aalto, Alonso del Yerro e Quinta Sardonia.
Hay que decirlo, 3 filosofías, 3 tamaños. Pero, en todas esas bodegas, atención al suelo y la uva.


Quinta Sardonia



B2P - Aquapura, Emmanuel Nunes e Hugo Pacheco

B2P (Back to Past)


Por duas vezes comi no Aquapura. Das duas comi bem, alguns pratos muito bem.
Conheci o chef Emmanuel Nunes. Revi o Hugo Pacheco (ex-100 Maneiras).
Gostei do que vi. Gostei das ideias da Carta (a Carta de Vinhos, praticamente, ainda não existia).
Mas, muita gente que lá foi disse que não era bom. Alguns, que era mau.
Entretanto, chef e escanção, já lá não estão.
Vamos a ver o que acontece a esta água-zen.

B2P - Vinexpo(t) 2007

B2P (Back to Past)

Fomos até à Vinexpo 2007, a grande feira do mundo dos vinhos.
Vimos Clientes, amigos. Provamos e demos a provar.
Oui, de repente chuvadas. E condessas e suas amigas.


A melhor refeição foi no La Table Calvet (merci Marc pour le conseill).
Nunca tinha comido também em Bordeaux. Terá sido pelas 4 filles à table?!

B2P - Quinta do Infantado @DOC

B2P (Back 2 Past)
O restaurante DOC fez dois meses. Bem, dois meses e um dia. Aproveitou-se o jantar da Quinta do Infantado para uns momentos de relax. Soube bem o Quinta do Infantado 2002 (a primeira magnum que abrimos) e o Porto 20 Anos.
O Rui, Mauro, Valério e Gonçalo, estão na foto. O D. Pedro, Mafalda, Hélder, Beta, não.
O Zé Carlos, a Fatuxa, o LSD, estão.
E a Catarina, está meia in, meia out.
Pois, não sopramos as velas...

B2P - MoiroMagnumDentol

MoiroMagnumDentol foi uma festa pegada.

O quarto capítulo de uma saga que se iniciou com a DiamanVinoWineSmile, depois CastleWino dótecom, e ainda o SengAllio vinO'maGiK.

Uma espécie de Jee-bus-winegeeks-wanna-be-cookers gathering cheio de energia.

Desta vez a (pouca)sorte calhou à família Louro, de Estremoz.

Lá no seu Château Mourarée Conti, viram chegar a horda, mas não se assustaram.

Pelo contrário, alegraram.

Houve tempo para ver a Quinta do Carmo, a nova adega do Alento (o projecto do Luís Louro), provar belos Quinta do Mouro, delícias da Conceição.
E, no domingo, quando era mais a sério, a festa continuou. A sério, mas festa.

Não nos vamos esquecer desta, right?




 
eXTReMe Tracker